Ola visitante, Clique aqui para conectar ao site

 Home | Noticias | Blog PHD | Charges | Colunistas | Competicoes | Especiais | 

Cruzeirenses pelo Mundo | Torcedor do Futuro | Servicos | Quem Somos 

*** AVISO - PODCASTs, NOTÍCIAS E COLUNAS DE OPINIÃO ESTARÃO, a partir de 26 de JULHO de 2020 no Blog PHD ***

 Acesso mais recente em 24-06-21 22h41min  |  Fonte: Portal UAI |  Qtd Leituras: 907
Cruzeiro: Estrelas Negras Imortais por Gustavo Nolasco


Adelino (ala), Aldair Pinto (maestro da charanga do Cruzeiro), Alisson ´Irmão` (massagista), Andorinha (massagista), Antoninho (ponta-direita campeão de 1971), Augusto Recife, Balu, Bené (zagueiro), Bento (primeiro jogador negro do Palestra, tricampeão 28/29/30) e Bituca (cantor e compositor).

Bituca (zagueiro), Borges, Caicedo, Careca (um dos maiores camisas 10 de nossa história), Cláudio Adão, Clebão, Cleison, Darci Menezes, De La Cruz, Dida e Didi ´Folha Seca` (técnico).

Dinei, Dirceu Lopes (apelidado de ´El Negrito` pela imprensa argentina), Dirceu Pantera, Eduester Lopes (fisioterapeuta), Élber, Elicarlos (chamado de ´macaco` em campo pelo argentino Maxi López), Ernani, Espinoza, Estevão (jogador de 10 anos de idade, colocado como moeda de troca na gestão Wagner Nonato Pires Machado de Sá), Evaldo e Evandro (torcedor, neto de palestrino, que sofreu preconceito de torcedor italiano do Cruzeiro).

Fubá (torcedor símbolo, vítima de ridicularização num programa de TV fechada por parte de um torcedor atleticano branco), Geraldão, Geraldino (lateral-esquerdo), Geraldo II (goleiro e construtor das arquibancadas do estadinho do Barro Preto), Gilberto, Gomes I (goleiro dos anos 1980), Gomes II (goleiro dos anos 2000), Guerrón, Hingredy (zagueira do feminino), Irineu e Ismael (meia-esquerda, craque da década de 1940).

Jackson, Jadir Ambrósio (palestrino, maestro e compositor do hino do Cruzeiro), Jairzinho ´Furacão`, Jéfferson (goleiro), Jesum (ponta-esquerda), João Carlos, Joel (camaronês), Jorge Mendonça, Jorge Wagner, Juca (campeão da Cidade pelo Palestra em 1940) e Júlio Baptista.

Jussiê, Juvenal (ala esquerda tricampeão 43/44/45), Kelly, Kim (atacante do feminino), Leandro Buchecha, Luisão, Macalé, Macedo, Maicon, Manoel e Marcos Paulo.

Mário Tilico, Mário Tito (zagueiro), Miriã (atacante do feminino), Massinha (lateral-direito tricampeão 59/60/61), Mundico (atacante do Palestra, vice-campeão da Cidade 1933), Neco, Nerival (ponta-esquerda), Nocaute Jack (massagista), Orlando Fumaça (zagueiro), Oséas e Paulão (zagueiro, campeão brasileiro 2013).

Paulão (zagueiro, campeão da Supercopa 1991), Paulo Florêncio (atacante), Paulo Isidoro I, Paulo Isidoro II, Pedro Paulo, Ramires, Roberto Batata, Rodrigues, Sorriso (jardineiro), Thiago Heleno e Tinga.

Tita (massagista), Toby, Valdo, Vanderci, Vanderlei, Vavá (zagueiro), Vítor, Viveros, William Andem (goleiro camaronês), Wladimir (símbolo da Democracia Corintiana e que honrou nossa camisa) e Zé Carlos (eterno ´Zelão`).

São só 99 dos milhares de personagens negros e negras das páginas heroicas e imortais do Cruzeiro e do Palestra Itália. Exaltá-los, falar deles, escrever sobre eles, nos calar para ouvi-los, escutar a história sob a perspectiva deles são algumas das formas de lutarmos contra o racismo estrutural enraizado em nós mesmos, em todos os clubes de futebol do Brasil e na sociedade de privilégios aos brancos, na qual infelizmente vivemos.

Vidas negras importam. A história do Cruzeiro contada pelos negros e negras deve importar.

(*) Agradeço aos amigos Evandro Oliveira (Cruzeiro.Org), Luis Otávio Barreto, Marco Astoni, Angel Drumond, Geovano Moreira e André Bueno por reviverem comigo esse trecho fundamental da história de nosso Cruzeiro.

Twitter: https://twitter.com/gustavonolascoB

/elo


Cruzeiro.Org - 25 anos

Comentários:  Clique aqui e deixe o seu comentário

 pyxis | BHZ | 03-06-20 15h28min
Agradeço o reconhecimento e citação da pouca colaboração que tive neste texto.
Mas esta mensagem espelha e aprofunda a minha percepção de muita coisa esconde-se mais do que mostra-se. A inexistência de dirigentes cruzeirenses negros, mostra algum indício que o preconceito velado não deixa melhorar as relações. Mulheres dirigentes, negros dirigentes... o Cruzeiro não é melhor e nem pior, e está NO MESMO patamar de todos os outros clubes de futebol ou equipes esportivas.
 wallacewfs | Belo Horizonte | 03-06-20 18h50min
Tivemos poucos técnicos negros também. E como o Evandro relatou nenhum dirigente negro, e nenhuma mulher dirigente.
 Twitter 

 Notícias   rss
26/07 - 07h00 [1 coment.]
Cruzeiro.Org muda o foco de seu conteúdo e serviços 

10/07 - 11h07 [2 coment.]
COLAPSO: ´Má Gestão x Má Fé` por Sérgio Santos Rodrigues 

10/07 - 07h07 [0 coment.]
CENTENÁRIO: CBF marca jogo contra o Cuiabá (MT) dia 2 de janeiro 

10/07 - 06h49 [1 coment.]
COLAPSO: Aumento das despesas de salários em 50% com Wagner Pires 

09/07 - 19h34 [0 coment.]
CENTENÁRIO: Vinte anos do TRI na Copa do Brasil na Toca 3 

09/07 - 19h17 [0 coment.]
COVID-19: CBF define calendário. Série B encerrará em 30 de janeiro 

08/07 - 12h42 [0 coment.]
COVID-19: Cruzeiro prioriza Toca 3 mas avalia sede no interior 

07/07 - 19h29 [0 coment.]
COVID-19: FMF define retorno do Mineiro 2020 para 26 de julho 

>> Mais noticias
 Publicidade 


Cruzeiro.Org® Desde 1999 - Site Oficial da Torcida - ANO 21 - Contatos para Webmaster