Porto de Galinhas, Pernambuco

Por Jorge Angrisano Santana | Em 10 de dezembro de 2012

Não faz muito, passei duas semanas em Porto de Galinhas. No Hotel do Seu Eno, um portuga.

Papo vai, papo vem, ouvi boas histórias de futebol.

  • O casal de mineiros, Valmir e Elaine, mudou-se de São Sebastião do Paraíso pra Ipojuca, onde escolheu morar bem ao lado do hotel. Foram vender pacotes de viagem e compraram uma casa amarela sem número em uma rua sem nome. Pra identificá-la, colocaram uma grande bandeira do Cruzeiro na varanda do segundo piso. E nunca tiveram problemas pra receber a correspondência sempre que ela endereçada pra “Casa Amarela com Bandeira do Cruzeiro, Porto de Galinhas, Ipojuca-PE”. Fica a dica pro Velho Damas, que morra num grotão de Goiás.
  • O paraibano, Gilliard, vendedor de redes, é um globetrotter. Já morou em quase todas as capitais e cidades grandes do Sul e do Sudeste. Em cada uma, tem um time. Em Beagá, é Cruzeiro. Mas é pelo Sumpaulo, que mais torce. Desde que ele não jogue contra o Nacional. Qual Nacional? O de Patos, Paraíba, sua cidade natal.
  • O italiano Cesare conheceu e se apixonou pela pernambucana Valéria em Parma. Ela voltou e ele não ficou confortável sozinho no frio de sua cidade. Veio atrás da moça com quem se casou. Hoje em dia, ao invés de queijo parmesão, faz bijuterias que vende na areia. O time dele é a Juventus. Desde que ela não jogue contra o Parma. Neste caso, ele mantém a fidelidade ao time da aldeia.
  • A moça do café, Tati, é uma graça. Já recebeu camisas de vários times do Sul Maravilha, presenteadas por hóspedes fanáticos por seus times. Mas ela não trai seu coração de Leão. Nem mesmo se o Ishpó cair pra segundona.

E a sua história de viagem, caro leitor?

17 comentários para “Porto de Galinhas, Pernambuco”

  1. Naldo disse:

    Passei um dia em Porto de Galinhas. Estava em Recife e fui pra lá. Não houve tempo para conhecer muita coisa, mas o pouco que conheci foi muito legal.

  2. Frede disse:

    Um dos guias do museu do estádio Centenário é um conhecedor do futebol brasileiro. Quem tiver por essas bandas, procure um senhor de gravata… Sabe tudo! Inclusive, comentou que ano passado, quando estive lá, foi um ano muito ruim pro Cruzeiro e falou entusiasmado da seção celeste que existe lá no museu do estádio.

  3. mariana disse:

    Este ano, numa viagem que fiz ao México, conheci um holandês no translado do hotel para o aeroporto. Assim que soube que éramos do Brasil ele disse: “Adoro o Brasil e o futebol brasileiro, era fã do Tostão que jogava no Cruzeiro”. Fiquei tão empolgada com a declaração, e como já estávamos chegando no aeroporto, me apressei para contar que o Cruzeiro era meu time de coração, em inglês… falei tudo errado e sem sentido. Meu cunhado, emplumado, quase morreu de rir, com razão.

    • mariana disse:

      Quando parei pra pensar no que eu tinha dito…que vergonha! Já era tarde para me redimir, o holandes já tinha ido embora. Foi triste, pra mim. Mas fiquei tão orgulhosa de ver ele falar do Cruzeiro daquela maneira, que conto essa história pra todo mundo, incluindo a parte da minha manota.

  4. Rogério disse:

    Estive no Uruguai em Março deste ano, são bem inteirados do futebol brasileiro.. Pedi para alguns uruguaios que tive oportunidade de conversar citarem o maior número possível de clubes brasileiros, 6 deles citaram o Cruzeiro, teve um que conhecia tanto de futebol brasileiro que citou até as Frangas..

  5. Damas disse:

    Se alguém chegar em Pilar de Goiás e perguntar pelo Velho Damas, a resposta é imediata: “ele mora ali…. naquela casa que tem a bandeira do CAM”.

  6. Celeste disse:

    Eu viajo pouco, ou melhor, nada. Minha mãe mora em Itajubá e meus sogros em São Vicente. Ambos são idosos e no pouco tempo que nos resta, na agenda corrida de médicos, viajamos para visitá-los. Mas dou graças a Deus de poder contar os dias e pegar a estrada. Por outro lado, tenho contato com muitos estrangeiros aqui na faculdade. A PUC Sorocaba mantém convênio com alguns países da América do Sul e outros da África.

    • Celeste disse:

      Todos os estrangeiros que encontro recebem uma aula de cruzeiridade. Há pouco tempo tínhamos um aluno da Costa do Marfin. Ele me disse que tinha simpatia pelo Cruzeiro por causa do Alex. Os alunos sulamericanos, todos, sem excessão, sabem alguma coisa do Cruzeiro.

  7. Damas disse:

    Vcs estão viajando muito heim!!!! Em 2012 o lugar mais longe que fui foi Goiânia. Mas 22/12 estarei na minha Beagá. Vai ter o encontro do PHD?

  8. Francys disse:

    Em Porto de Galinhas, na vilinha, um artista desenhava o escudo do Cruzeiro em um azulejo, justo no momento em que passava por sua “tenda”. Lembrança adquirida e fotografada. Irei doar esse azulejo á um artista Chileno que está decorando a escadaria da Lapa, no centro do Rio. Tem azulejo de várias pates do mundo, Egito, Palestina, Marrocos, etc. Quem sabe um com o escudo da maior instituição de Minas? Volta mineirão!!!

  9. Alex Martins AMC disse:

    Sabem de onde estou escrevendo este comentário? Exatamente de Porto de Galinhas. Cheguei domingo, estou no Enotel Resort. Agora o lugar tá muito mal frequentado, estava eu caminhando com minha camisa estrelada de 2009, quando de repente encontro com três cocotas no hotel, Serginho, Werley e o Renan Oliveira, ficarmos me encarando mas apenas passei as mãos nas estrelas para demonstrar o brilho. Ótima praia já é a quarta vez.que venho.