Os defeitos são sempre dos outros

Por Jorge Angrisano Santana | Em 12 de outubro de 2008

Carlos Eduardo Marques

Peço licença pra fazer algumas considerações sobre os chamados anticruzeirenses. Por que será que temos tanta dificuldade com o outro? Com o diferente ou mesmo com o que pensa diferente de mim?

As respostas são variadas dependendo de quem as responde. Os antropólogos, como eu, diriam uma coisa, os psicólogos diriam outra, os psicanalistas outras mais e assim sucessivamente.

Todo esse preâmbulo é uma forma de tentar responder algo cada vez mais comum nessas nossas Páginas Heróicas Digitais que é a tentativa de desqualificar o outro.

Cada vez mais o que pensa diferente é tratado como simplista, ou mesmo com palavras agressivas como: idiota, otário e a pior de todas as classificações: anticruzeirense.

Pera ai, gente, vamos nos respeitar mais. Como diz o ditado, cada um sabe a dor e a delicia de ser o que é. Ora é necessário respeitar a todos aqueles que torcem e distorcem a realidade, aqueles que torcem, mas não distorcem a realidade, aqueles que só torcem e aqueles que só distorcem.

Eu, particularmente, me irrito bastante com as vaias, na maioria das vezes inoportunas e no momento errôneo, pois acontecem quando o time mais precisa de apoio.

Mas isto não me autoriza sacar de uma possível superioridade de acusador e colocar o dedo em riste e gritar para outro: Anticruzeirense!

Melhor seria pensarmos nos motivos que levam aos torcedores inferiores (a julgar pela maioria das opiniões expostas aqui) a se comportarem da maneira como fazem.

Talvez, me permitam, aqui, fazer uma sociologia rasteira, perceberíamos que para muitos destes torcedores, ao contrário das acusações feitas aqui, futebol é algo muito mais profundo do que para nós (e olha que sou considerado fanático). Por isto, suas reações também são mais profundas e irracionais.

Para eles, a vaia é um meio para demonstrar este envolvimento. Para muitos deles o futebol é o único lazer, cultura, divertimento. Divertimento, lazer e cultura, diga-se de passagem, cada vez mais caros.

Sim amigos (talvez vocês não percebam isso) mas a renda média na periferia de nossa cidade ainda é de assustadores 2 salários, portanto R$20 é algo bastante caro.

Com tudo isso não quero ser piegas, mas somente nadar contra a corrente e pensar que, ao contrário de muitos de nós, para esses chamados anticruzeirenses, o Cruzeiro é a razão de suas vidas. É como diz o poeta: “o coração tem razões que a própria razão desconhece”.

Só assim podemos entender como, por exemplo, esses cruzeirenses inferiores podem vaiar e atrapalhar seu time e como nós os cruzeirenses superiores (bem sucedidos economicamente, educacionalmente, socialmente) perdemos a razão e vemos teorias conspiratorias por todos os lados.

Sim, meus caros, infelizmente, os problemas do Cruzeiro não são somente culpa da imprensa galinácea. É sobre isso que este texto trata: todos somos irracionais diante da nossa  paixão pelo maior de Minas, no entanto os defeitos são sempre dos outros e nunca nossos.

Carlos Eduardo Marques, 26, cruzeirense, Antropólogo e Professor da Faculdade de Ciências Jurídicas da FEVALE/UEMG, em Diamantina, nasceu e mora em Belo Horizonte.

36 comentários para “Os defeitos são sempre dos outros”

  1. Jorge Santana disse:

    Não é nada disso, Carlos Eduardo. Anticruzeirense não é quem vaia o time, mas quem faz campanha contra o clube por não gostar de seus cartolas. Atleticanos são emplumados. E vice-versa, diria Mário Jardel. E estão certos de torcer contra o Mais Querido de Minas. O anticruzeirense, contudo, se passa por cruzeirense mas, tudo o que faz é campanha permanente contra o time. Otários são os que se deixam levar pelos anticruzeirenses. E quem usa 40 nomes diferentes para entrar em espaços virtuais freqüentados por cruzeirenses para repetir ad nauseam o mesmo comentário contra o time e seu treinador não é nenhum pobre-coitado da periferiaa que mal pode pagar R$20 para ir ao Mineirão. É provocador ou anticruzeirense mesmo.

  2. Frederico disse:

    Permita-me discordar. Quando vc diz “Cada vez mais o que pensa diferente é tratado como simplista, ou mesmo com palavras agressivas como: idiota, otário e a pior de todas as classificações: anticruzeirense.”, alguns não pensam, são manipulados ou tem algum interesse em jogar contra. Essa é a questão.

  3. Frederico disse:

    E tem mais, assita ao jogo das especiais, em que só o ingresso custa 40 reais, para ver como os caras vaiam. Vaiam de lateral a tiro de meta… só falta vaiar gol mesmo…

  4. Marcelo disse:

    O Carlos Eduardo está certo, mas dentro do contexto do blog, o texto dele não se encaixa.

    Nesse último jogo, eu fiquei em pé o tempo todo, em certo momento do jogo estava ao meu lado um cara e eu comecei a conversar com ele, e eu reclamava: Oha só, aqui deve ter 13 mil pagantes (acertei quase em cheio) e o time em terceiro lugar, lamentável. E ele respondeu: “Poisé, mas o ABap não ajuda né, a torcida fica desanimada, ninguém tá acreditando no título”. Nessa hora eu assustei, essa crença no título está restrita ao blog praticamente, o público e o comportamento dele nos jogos ajuda a evidenciar isso.Depois o cara ainda falou: “É difiícil né, eu sou pai de família e o ingresso é caro, tem estacionamento, o tropeiro… fica muito apertado”.

    Analisando outro ponto do texto, eu acho um erro TENTAR considerar uma maior entrega, uma maior paixão desses torcedores (os tropeiristas) pra explicar atitudes radicais, pra mim a questão vai mais pro lado da idéia de serem manipulados facilmente. O fato de alguém ter tatuagem do time no peito, chorar quando o time ganha ou perde, chegar ao extremo de arrumar confusão pelo time não o faz necessariamente um fanático, aliás, hoje em dia a gente vê muito isso, e na hora de demonstrar amor ao clube ele não existe.

  5. Marcelo disse:

    Fred, eu não vou de cadeira especial nunca mais por causa disso, além de lá ser chato( desanimado), o povo é muito rabugento.

  6. Hermes disse:

    Carlos Eduardo, concordo com cada letra do seu texto, parabéns. Observe um detalhe, nossa torcida é maioria no interior, qual o apoio que o clube oferece para esse torcedor? nada, ou melhor, ingresso mais caro no dia do jogo. Voltando ao texto, esse termo “anti-cruzeirense” sempre é usado para os discordam e criticam, mas muitas vezes esse têm razão. Talvez seja a paixão falando mais alto que a razão. Eu já fui chamado disto, logo eu, que tenho uma história e uma família baseada no CRUZEIRO.

  7. Charles disse:

    Pra mim é simples. Se o cara vaia o time, xinga jogadores e tecnico, com o time em terceiro, eu também vaia quem está vaiando. É um direito meu (Não é assim que a turma diz quando vaia?). Eu quero é ajudar o CRUZEIRO e combater esse tipo de gente é preciso. Uma vaia aos tropeiristas: uuuuuuuuuuuuhhhhhhhhhhhhhh!

  8. Charles disse:

    Hermes, acesse o site do Cruzeiro: cruzeiro.com.br

  9. Hermes disse:

    CHARLES, é seu direito sim, assim como é direito de qualquer um pagante de vaiar se não gostar. O que tem no site do Cruzeiro que possa me interessar.

  10. Dylan disse:

    Carlos Eduardo, parabéns pelo seu oportuno e inteligente comentário. De fato, vigora aqui algumas vezes uma noção de que temos razões superiores para entender o que se passa na cabeça do torcedor. Se ele é crítico em relação ao time só pode ser manipulado ou tropeirista. É o mesmo raciocinio que leva alguém de classe média a defender que pessoas sem educação escolar não votem, sem saber que falam isto com o cabresto em volta do próprio pescoço. A torcida do Cruzeiro de fato tem caracetristícas especificas que ajudam a explicar sua incompatibilidade com o time esse ano. Acho que o Allison Guimarães foi quem chegou mais perto de explicar o que está rolando quando disse que a torcida este ano está sendo movida por ressentimentos. “A torcida tem crucificado o Adilson Batista mais pelo seu histórico de invenções, que pôs tudo a perder em alguns jogos”. É uma frase que eu pincei mas recomendo a leitura toda do texto. Isso é um sinal de intolerância do torcedor? Pra mim é, acho a vaia um instrumento burro na maior parte do tempo, mas acho que os defensores incondicionais do técnico estão sendo igualmente intolerantes quando partem para a desqualificação quando alguns problemas com a condução do time são levantados. E aqui deveria ser o espaço para isto. Outro dia o Tostão falou que falta bom senso ao Adilson. Não será possivel que outros achem a mesma coisa? E será que em alguns momento estas pessoas não estão certas? O que isto tem a ver com torcer contra? será que não é possível torcer a favor e fazer ressalvas ao mesmo tempo? São perguntas que ando fazendo a mim mesmo…

  11. Charles disse:

    No site do Cruzeiro fala sobre o Cartão Papafilas.

  12. Hermes disse:

    Charles tenho 2 cartões 5 estrelas, para mim isso não é problema, mas, e os outros?

  13. Marcelo disse:

    Hermes, o cartão Papafilas serve pra isso, não tem taxa mensal e você pode comprar seu ingresso de qualquer cidade, e quem mora aqui não precisa pegar nem fila mais.

  14. Binho ( Faltam 9 ) disse:

    Vaiar é legítimo, porém, com a colocação do time no brasileiro não faz o menor sentido. Vaiar com o time ganhando, no meio do jogo também não. A torcida chegou ao absurdo de vaiar o CEC contra seu maior adversário. Esse papo de pobre da periferia é furado. Há sim uma legião manobrada e burra. Falta personalidade a essa gente. PEnsar com a própria cabeça. Chamei e chamo de anticruzeirense quem prejudica meu time, não por discordar do técnico ou por não gostar dos Perrelas mas porque entraram numa campanha orquestrada contra a equipe, sem justificativa. Perseguem jogadores, técnico, diretoria, conselho, raposão e quem mais os donos do microfone decretarem. Chamei o Alberto Rodrigues de anticruzeirense e ele é. QUem joga a torcida contra o patrimonio não merece alcunha diferente. Seja quem for. Tenha a história que tiver. Faça o que fizer.

  15. Carlos Eduardo,

    Bela tentativa de explicar o inexplicável.
    EU diria que sua tentativa é de desqualificar, da mesma forma que você acusa outros desqualificadores.
    É certo que você desqualifica mais educadamente, para contrapor e aparentar essa “racionalidade” na análise que você diz ter e apresenta como superioridade.
    Eu poderia tentar dissecar seu texto, mas não vou…
    Só digo que está errado, muito errado…
    A razão pela qual eu chamo anticruzeirenses e utilizo os outros adjetivos que uso para aqueles que jogam CONTRA o patrimônio é simples: NÃO SÃO TORCEDORES.
    Quem sou eu para criticar seu texto-tentativa…
    Mas seria MUITO interessante que sua análise começasse pelo radical de TORCER.
    A paixão a que você se remete para defender o comportamento dos tropeiristas e anticruzeirenses NÃO DEVE, ao meu juízo, ser remetida pela desqualificação da análise e circunstâncias.
    Querer tapar o sol com a peneira dizendo que a responsabilidade está em nós mesmo e fazer defesa do que a mídia tem feito com a torcida, numa clara manipulação coletiva é muito pra mim.

    Mas tá valendo….

    Espero que os que lêem seu post parem para pensar um pouco… já terá valido a pena… só que esta de desqualificar a crítica e ainda tentar inocentar a mídia de parcela da responsabilidade do que acontece hoje no Cruzeiro e nem sequer citar a posição (omissão?) da diretoria nesta manipulação descarada, é compreensível mas não aceito.

    De qualquer forma, valeu a sua tentativa.

  16. Charles disse:

    O Marcelo respondeu hermes. O Papafilas foi lançado para o torcedor do interior. Coloquei isso, devido a seu comentário.

  17. Não sei a origem da intolerância… acho que a vitória de 5×0 criou uma alsa perspectiva na torcida, que se relembrou de 2003, e colocou de si para si, “temos time, oba!, vamos ganhar tudo!” Com o tropeço no BOCA, na procura de achar o “culpado” do infortúnio, cairam na pele do ABao, porque o time não foi aquilo que se esperava. Jogasse oCEC do mesmo jeito, e a partida terminasse 1×1 ou 2×2, com a mesma eliminação, não duvido que a coisa seria a mesma.
    _Ela veio como uma provocação imparável da mídia naquela toada,vcs ganahram da gente de 5×0, então vcs são bons demais, tem de ganhar do BOCA… inflaram inflaram o nosso ego, qdo a coisa não foi do jeito, o retorno contrário foi pior, e ái, deitaram a campanha “fora ABap!”, comprada tanto pelo povão que vai no jogo no sacrifício, principalmente porque a parte “abstada” da torcida engoliu a história plantada, e se voltou contra o técnico.
    _Do ponto de vista do ABap, ele é ser humano, tem seus erros, como qualquer técnico, tem suas necessidades, dificuldades, improvisações (todo técnico teve de improvisar por falta de jogador, não tem jeito; ontem o FLA fez isso: custou 3 pontos, custou o campeonato(?): a torcida vaiou… o técnico teve “culpa”? Nem tanta, foi o dia que nada deu certo, nem os escalados, nem as alterações, nem a torcida apoiou. LUXA contra o FIGA estava desesperado, quase entra em campo, com apoio de “PARMERA…”, adiantou?
    _A campanha foi tão forte, que gente que nunca ví falar ou saber quem era ou deixou de ser técnico do time, sabia o que estava acontecendo…E continua alimentada entre nós mesmo assim, ainda hoje! Se alimenta na intolerancia recíproca das facções formadas: (os que defendem a qualquer preço, e os que criticam até a unha do pé…)
    Atitudes extremas levam a desagregação, que começa no torcedor, e vai lá pra dentro do campo, atingindo tb os jogadores que continuam sendo usados com o mesmo propósito, atacar o técnico e manter o ASSUNTO.
    _A mídia mantém o ASSUNTO, já que não há outro… a mídia quer falar sobre estarmos em 3.o? Sobre as chances de chegar ao título? Coloquei um POST sobre o ABap foram 100 comentários, hoje discuto as possibilidades das 5 equipes. Apenas 5 míseros… Este ASSUNTO a 9 rodadas do final, não deveria ser importante?
    _O que move isso? Superioridade- da torcida abastada, fraqueza e falta deliderança das Organizadas no apoio ao time, Assunto- sempre realimentado na mídia, inclusive aqui.
    ABS/ART

  18. Carlos

    O problema são relamente os anti-cruzeirenses que manipulam nossa torcida… esse que é o X da questão..

    Você acha que por exemplo no Rio Grande do Sul… os torcedores que vão apoiar o gremio… ganham mais do que os daqui, ou são de classes socias ou economicas diferentres ??… mais la e diferente.. não tem locutor de rádio que ao inves de narrar simplesmente o jogo…faz comentarios “maldosos” ou imprensa que manipula a torcida… NÃO… la torcedor depois de tres fracasos seguidos nos ultimo tres jogos…. coloca 30.000 torcedores na arquibancada !!

    Veja por exemplo os jornais e supercocotas de hoje o Galo é o melhor time do MUNDO… simplesmente por ter ganho de 3 do flamengo… tenha a santa paciÊncia

    Abraços

  19. Leo Vidigal disse:

    Também achei o texto interessante como reflexão, realmente daria uma ótima pesquisa esse caso. Por exemplo, pela minha experiência, não sei se a questão social é tão determinante assim. Quando vou ao Mineirão e ouço vaias, vejo algumas vezes muitos começarem a gritar ZÊRO a todo pulmão, pessoas que visivelmente não são de classe média, e vou nessa onda. Então tem muita gente disposta a apoiar, sem ter medo dos cornetas. O Dylan citou o Tostão, mas quando ele fala do Adilson é na maioria das vezes para defendê-lo, dizer que ele acerta mais do que erra. Agora, certamente cobrar racionalidade da torcida é difícil mesmo. Espero que o papa-filas, uma ótima idéia, sirva para levar mais gente para o estádio. Tomara que venha uma boa vitória contra os galistas para que a torcida volte a jogar com o time.

  20. Sobrinho disse:

    O Dylan e o seu discurso anti-adilson sensato é uma piada. Desde do jogo do Boca é a mesma ladainha, mas sempre tentando se diferenciar dos Joses Netos. Não existe defensor incondicional do Adilson, todos os “defensores incondicionais” apontam erros, mas são sempre contra a palhaçada de achar que o técnico tem que fazer o que a torcida e os jornalistas querem e se não fizer da-lhe vaia de burro! Em um jogo chamam de burro porque entrou com o Jaja e não entrou com o jogador que eles queriam, no jogo seguinte pedem o Jaja.

  21. Jorge Santana disse:

    Acompanhei o Cruzeiro durante muitos anos na Geral do Mineirão. É o melhor público do estádio. O pior é o das Cativas. O geraldino gosta de futebol, tenta entender o que se passa em campo e, principalmente, costuma praticar o esporte em suas vilas e bairros. O chique da cativa joga peteca, é doutor, é fodão, tem grana e, por isso, brasileiramente, se imagina cheio de razão. E tem inside information às pampas. Vive contando supostas histórias de bastidores. É o mala. Existe em todos os clubes. Na SEP, freqüenta a social, no meio do grupelho que Felipão apodou “turma do amendoim”. Na Cocota é o cara que estaciona a BMW no passeio pra fofocar nas reuniões do CD. No Vasco é o cara que se filia a grupos políticos e fica torcendo contra nas tribunas. Mas esta gente tem poder de fogo. Ela puxa a vaia, destrói tudo e, depois, vai ao cinema do shopping perto de sua casa.

  22. Dylan disse:

    Sobrinho, obrigado por confirmar exatamente o que eu disse nos meus comentários, aliás, entre os intolerantes vc é o maior de todos. Eu nem perco meu tempo, acho mais interessante debater com um muro.

  23. JS disse:

    Opa! Mais um clássico no PHD: Sobrinho x Dylan. Espero que, neste, haja fairplay. Sem voadoras, companheiros!

  24. Sobrinho disse:

    heheh eu tb!

  25. Sobrinho disse:

    O dono do trofeu diego tardeli eh você, mas um dia eu chego lah!

  26. Dylan,

    Pra quem vai Muito pouco (se é que vai) ao estádio, e menos ainda acompanha o time das “cadeiras especiais”, e, via de regra, acompanha pelo “radinho”, sua opinião deveria ser menos “superior”.
    É como no post anterior… critica a pretensa “superioridade” dos críticos aos anticruzeirenses e faz O MESMO, ou PIOR, faz o mesmo defendendo a mídia de não ser influenciadora e formadora de opinião… logo você…
    Mas tudo bem… eu não devo nem parecer com um muro (alike Sobrinho!)

  27. Pelas circunstâncias da vida, fui compelido a frequentar a GERAL por muitos anos… diria que nos anos mais difíceis do Cruzeiro no final da década de 70 e início de 80.

    Teve um jogo, que chovia barbaridade e foi adiado. Cruzeiro x Uberaba. Eu estava lá na GERAL… tinha mais geraldinos do que arquibaldos… e todos foram lá para torcer pelo CRUZEIRO… e GARANTO que estavam fazendo mais sacrifício (naquela época, sem meu pai e irando dinheiro do ingresso do salário era DURO ir a todos os jogos…) do que os arquibaldos que ganham ingressos ou que não fazem questão de gastar R$50 ou R$100 por jogo.

    Teve um ano que até tentei criar uma torcida organizada na Geral chamada RAPOVÃO… mas a adesão foi muito baixa pois este pessoal que vai na Geral tem grana mal-mal para comprar material pirata na porta do estádio… quanto mais camisa de torcida organizada…

  28. Dylan disse:

    Evandro, eu não tenho um helicóptero pra me levar ao Mineirão toda a semana mas assisto a todos os jogos e não ouço radinho. Que bom que você vai,quem sabe quando eu voltar a morar em Bh não vamos juntos?

  29. Walfrido disse:

    Não sou dos mais dóceis deste espaço. Mas tento, ao menos, compreender outras formas de ver o jogo. Sinceramente respeito, ou tento respeitar, opiniões diferentes. Percebo que a maioria tem criticas ao AB. Inclusive eu e outros que são, as vezes, citados como “defensores incondicionais”. Não penso que seja verdade.

    Não vejo ninguém aqui no PHD deixar de criticar. Uns são mais veementes, outros menos. Mas todos faríamos algo diferente, escalaríamos, se pudéssemos, nosso Cruzeiro diferente. Cornetar aqui é permitido, divertido e saudável. Refresca nossas convicções, traz nova luz aos fatos.

    Tenho acompanhado alguns jogos com o pessoal aqui do PHD e durante o jogo agente as vezes discorda com uma ou outra postura do técnico e/ou dos jogadores. É normal. Mas nunca os vi vaiarem o time. Isso pra mim, e acredito pra eles, é muito importante.

    O que eu penso que realmente revolta a grande maioria aqui é a vaia. Sociólogos, antropólogos, psicanalistas e quem quer que for pode analisar isso, mas na MINHA humilde opinião de engenheiro e torcedor apaixonado, VAIA É INADMISSÍVEL. E é inadmissível por uma razão por demais simples: não ajuda nada. Nunca, ninguém, me mostrou sequer um benefício da vaia durante o jogo.

    Vaia, reclamação, cornetagem aqui nos blogs, nos butecos, nas escolas e etc, ok. Defendo, e até recomendo. Respeitando é claro os diferentes pontos de vista. Mas no Mineirão, NÃO ACEITO E REPUDIO. Pra mim, quem vaia, joga contra, e quem joga contra é meu inimigo (no esporte, claro), e por isso eu vaio contra, luto contra, não aceito.

    Fora esse tema da vaia do torcedor, que deveria ser o foco da discussão deste post, o que revolta também são pseudotorcedores, na minha opinião arruaceiros e moleques, que entram aqui com dezenas de nicks diferentes para avacalhar a discussão achincalhando a seriedade do blog.

    Desculpem-me se me alonguei. Abraços.

  30. Gustavo Barcellos disse:

    Carlos Eduardo, acho que você pinçou nossas críticas aos tropeiristas e tratou delas fora do contexto, exaltando a liberdade de expressão e deturpando nosso verdadeiro objetivo.

    Não somos todos multinicks da Andréa Neves. Ninguém aqui está intimidando, ameaçando ou censurando os torcedores que vaiam. Em épocas de derrotas vergonhosas eu mesmo já vaiei o time do Cruzeiro, e não foi pouco não.

    Agora, vaiar o time que está ganhando? Que tá em 3º na tabela? Que tá brigando pelo título? Isso não. Como é que eu vou apoiar um torcedor que vaia por pura impaciência? Que acha que o Guilherme tem que fazer gol de placa todo jogo? Que vaia o treinador porque o Jadílson não agüenta voltar pra marcar? Que vaia o Paraná no primeiro jogo do ano – no primeiro jogo! – porque queria Apodi?

    Querer que a gente não seja contra este tipo de comportamento porque estamos ferindo a liberdade de expressão dos tropeiristas é como defender o motorista que avança o sinal vermelho porque ele tem o direito constitucional de ir e vir.

  31. Mauro França disse:

    Falou tudo mais uma vez, Barcellos.
    E acho que o Carlos Eduardo misturou alhos com bugalhos. Direito à crítica, todos tem. Mas fazer campanha contra o próprio time é inadmissível.

  32. Sobrinho disse:

    Walfrido e Gustavo falaram o que eu quis dizer, mas de uma maneira mais elaborada e sem dar voadora! Espero que o Dylan entenda dessa vez.

  33. Walterson disse:

    Quem se arrisca a ler o que escrevo aqui sabe que eu pegava no pé do Adilson por causa do Bolinha. Aí o Bolinha foi defenestrado e comecei a culpar o técnico por colocar o Bruno e campo. Com o tempo, este tambem saiudotime e comecei a implicar com o henrique. Agora, analisando friamente, que opção o cidadão tem? Se nãofor o henrique, quem pode ser? Tem aisé de valorizar o bom trabalhodo AB, de colocar um time medíocre brigando pelo título com times cheios de grana, como SEP, SPFW e Fla.

    O Adilson inventava? Mais que o Luxa que entrou com 3 zagueiros e 6 recuados no meio de campo? A diferença é que o Luxa ganhou o jogo, só isto. Ou inventava mais que o Murici, que deixou o Richarlisson no banco e o colocou rapidinho quando o time estava perdendo, conseguindo empatar a partida?

    E nunca deixei de criticar o time, como naquele jogo contra o vaxxco, ou mesmo contra a Lusa.

  34. Walterson disse:

    Mas o AB tem meu apoio incondicional, pelo menosnesta reta final de campeonato.

  35. Naldo disse:

    Caro Carlos Eduardo, a forma como são postados os comentários, a frequência e os momentos, oportunos ou não para tais, costumam indicar a característica do tordedor.
    Não vejo muito o pessoal atirando no escuro por aqui não. Abç.

  36. Carlos Eduardo disse:

    Pessoal o bom de escrever aqui são os debates. Bom só para esclarecer algo que vi em alguns comentários. Não quis criar uma divisão de renda entre os torcedores e dizer que uns são melhores do que os outros, quis sim ser irônico e mereço as críticas por isto, com as posturas que aparecem alguns comentários. Ou seja, quis dizer que tem-se um certo sentimento dos leitores aqui do Blog de que estes são mais torcedores do que os demais. Tanto é que utilizei também de forma irônica a idéia de torcedores superiores e inferiores. Bomalguns dos meus argumentos são repassados nos próprios comentários.Outra questão não tenho dúvida da manipulação da imprensa. Seja no futebol seja na política, leiam a cobertura do Estado de Minas nestes dois campos que Vocês perceberam, só tentei dizer que nem todos os problemas são culpa da mídia.
    No mais uma pena não ter podido responder antes, pois estava fora da cidade desde domingo a noite.