Arquivo da Categoria ‘Comentários’

É isto, mas também é aquilo

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

No Mineirão, escuto: “Fábio, seleção!”, “Everton, seleção!”, “Goulart, seleção!”.

No PHD, leio: “Dunga, fiadaputa!”, quando o técnico convoca quem a torcida pede pra convocar.

De duas uma: Ou é doido quem escreve em blog, ou é doido, quem incentiva jogadores no estádio.

Se é que não são todos doidos da cabeça, como se autodenominam os componentes das duas turmas.

É proibido trabalhar!

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

O América perdeu 21 pontos, por escalar um jogador que havia jogado por outros dois clubes na temporada e virou lanterna da Série B.

Eu desconhecia essa regra idiota. Só no Brasil, mesmo, pra se proibir um cidadão de trabalhar, criando-se obstáculos ridículos.

Depois, a gente se assusta quando fica sabendo que somente 53 entre 100 brasileiros, com idade pra trabalhar, pegam no batente.

Quando empregador é punido por empregar, dá nisso. Nisso e em bolsas que mascaram os problemas reais de um país de toupeiras.

Um time conformado, cedo demais, com a derrota

domingo, 14 de setembro de 2014

Atuações dos celestes e seus adversários no SÃO PAULO 2×0 CRUZEIRO, no Morumbi, São Paulo, pela 21ª rodada do Brasileiro 2014, às 16 de 14set14:

TORCIDA CELESTE lotou seu minifúndio no Morumbi e, algumas vezes, calou a torcida local. Desempenho nota dez. (Síndico)

FÁBIO fez três defesaças, não tinha como evitar os gols e jogou coma habitual calma e competência uma partida  terrivelmente difícil. (Síndico)

MAYKE travou bom duelo com Kaká, que jogou por seu lado. De cara, chapelou o ex melhor do mundo. Na sequência, ganhou e perdeu jogadas, mas não teve um só minuto de covardia. Foi um dos melhores da tarde. (Síndico)

DEDÉ esteve mais desembestado do que o habitual. Lvou cartão amarelo logo de cara, chegou alucinado em Ganso, no pênalti e se mandou pro ataque inopinadamente, permitindo um contragolpe de pato que por pouco não resulta em gol. Precisa trocar pastilhas e discos de freio e instalar o sistema ABS pra não atropelar adversários dentro da área celeste. (Síndico)

MANOEL substituiu Dedé, que estava pendurado com um amarelo e um pênalti e não se saiu mal. Nem bem. (Síndico)

LEO SIMÕES foi o mais equilibrado do time. Segurou a bequeira, numa tarde em que os dois colegas estavam abilolados. Não perdeu a cabeça, nem a vontade de jogar em momento algum. (Síndico)

CEARÁ jogou improvisado, contra um ataque leve e rápido, e não comprometeu. (Carpedim) /// Partiu pra cima do garoto Auro e construiu boas jogadas pela lateral. (GloboEsporte)

LUCAS SILVA joga fácil e faz o futebol parecer mais simples. Estava bem na marcação, dominando o meiocampo, antes de ser substituído. (Gil Campos)

NÍLTON lutou até o limite de suas forças. É o que está conseguindo num momento de escassez de inspiração. (Síndico)

EVERTON RIBEIRO foi um dos mais lúcidos na 1ª etapa, dando trabalho aos tricolores, abusando de seus dribles e tradicionais arrancadas, mas pecou no último passe e nas finalizações. No 2º tempo, recuou pra compor a marcação, após a entrada de Dagol e JB. (Miguel Tolentino)

RICARDO GOULART fez bom 1º tempo, com bastante movimentação, bons passes pelos flancos e teve a chance de assumir a artilharia isolada do campeonato numa excelente finalização cruzada, que graças ao Ceni não foi morrer no fundo das redes. No 2º tempo, sentiu o ritmo e acabou engolido pela marcação adversária. (Miguel Tolentino)

ALISSON procurou o jogo o tempo inteiro. Errou algumas e acertou várias, sempre em direção ao gol adversário. (Hendrix)

MARCELO MORENO nada fez no ataque, mas ajudou a marcar. Fosse o contrário, o time teria ficado mais bem servido. (Síndico)

JÚLIO BAPTISTA entrou quando a vaca já tinha ido pro brejo, ainda assim tentou algumas jogadas ofensivas, mas lento e diante de uma equipe bem postada defensivamente, não obteve sucesso. (Miguel Tolentino)

DAGOBERTO entrou pra incendiar o jogo, mas não teve êxito. Por falta de inspiração e também porque o time já estava precocemente conformado com a derrota. (Síndico)

MARCELO OLIVEIRA ousou começando com Alisson e apostou todas as fichas quando sacou Lucas Silva e Ricardo Goulart, que estavam muito bem no jogo. Não venceu, mas aprendeu. Inclusive que é necessário administrar Dedé. (Gustavo Rocha) /// Senti imensa satisfação com sua postura ousada, a despeito da substituição de Lucas Silva. (Razger)

CRUZEIRO jogou muito bem na etapa inicial, sem abdicar de seu estilo agressivo e de toques rápidos. Levou o gol inesperado e manteve a chama acesa até o intervalo. Na etapa final, voltou sem pegada e facilitou a vida dos tricolores. (Síndico)

SÃO PAULO foi montado pra enfrentar uma equipe melhor, por isto, Muricy ficou aborrecido com a ligação direta no 1º tempo. Ele sabia que estava dando milho a bode, mas foi salvo por um pênalti. O 2º gol premiou ainda mais as escolhas de seu treinador em detrimento da ousadia do treinador do Cruzeiro. (Razger)

COMBO DE ARBITRAGEM cometeu alguns erros, nenhum decisivo. E Vueden acertou ao não expulsar Dedé. Não houve violência e nem chance clara de gol. (Síndico)

Superpunição

sábado, 13 de setembro de 2014

Uma guria entre 20 mil torcedores, chamou goleiro Aranha de macaco, no Grêmio 0×2 Santos, pela Copa do Brasil.

A grotesca imprensa esportiva brasileira fez um tremendo escarcéu.

Ficou parecendo que metade do povo brasileiro é racista. E a outra metade tem de ir à guerra pra acabar com isto.

As punições foram aplicadas em doses cavalares:

  • Grêmio excluído da Copa do Brasil, torcedora demitida de seu emprego e escondida em casa de parentes no interior gaúcho, sua casa apedrejada e, em seguida, quase incendiada.

É isto mesmo que pretendia o senhor Mauro Cezar Pereira, comentarista daquela partida?

É isto mesmo que a ESPN pretendia ao deixar o rosto da guria exposto horas e horas na tela?

É isto mesmo que vc queria, caro leitor? Está tudo certo?

Somos um país racista, como apregoam os partidos e organizações terroristas do Foro de São Paulo e repetem à exaustão nossos marxistas de galinheiro na telinha?

Vc só vai cair da real quando seu time também for excluído de um torneio?

Quero muito aprender com vc. Fale!

De chuá! Brasil 85×65 Argentina

domingo, 7 de setembro de 2014

Brasil mandou a Argentina pro saco, em Madrid.

85×65!

Argentinóides, desculpem o mau jeito.

Quarta-feia, 10, Brasil x Sérvia, pelas quartas de final do Mundial de Basquete.

Tinga no estaleiro

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

TINGA quebrou a perna, após uma dividida com o goleiro Rafael Monteiro, no treino de hoje à tarde, na Toca II.

O volante está internado no Hospital Lifecentar, na Serra, Zona Sul de Belo Horizonte.

Marcelo Oliveira, técnico do Cruzeiro, comentou: “Tínhamos até então uma tarde agradável, alegria por uma vitória contra o Grêmio. O treinamento corria normalmente, sem nenhuma jogada mais dura, como é no Cruzeiro. Mas numa dividida simples, com o goleiro visando a bola, e o Tinga acabou aparentemente tendo uma fratura. O Tinga é muito querido por todos e uma de nossas lideranças”.

Força, Tinga!

Detalhamento para afoitos

sábado, 16 de agosto de 2014

O Cruzeiro iniciou 2014 com quatro torneios a disputar: Mineiro, Libertadores, Brasileiro e Copa do Brasil.

Um já está no papo, o Mineiro. Outro, foi pro espaço, a Libertadores. Agora, começa a Copa do Brasil.

Se tudo der certo, o penta vem em 8 rodadas. Mas pode custar alguns tropeços no Brasileiro, pela pletora de jogos.

Enquanto isto, rola o Brasileiro, o mais complicado de todos. Tão complicado que se desdobra em três etapas.

A primeira é a classificação para o ano seguinte. Pra esta, faltam 5 vitórias. Que não devem demorar.

A segunda, uma vaga no G4 e a classificação pra Libertadores, requer mais 13 vitórias em 24 jogos. Dificuldade imensa.

Pra campeonar, 15 vitórias. Ou mais. Por ora, não dá nem pra sonhar, embora, os afoitos já estejam em contagem regressiva.

E são esses afoitos que mandarão a fatura aos derrotados, caso seus sonhos não sejam alcançados por terceiros.

Preciosismo

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

No vernáculo, o substantivo masculino PRECIOSISMO significa requinte, sofisticação, perfeccionismo excessivo ao falar, escrever ou fazer algo.

No futebol também pode ser tudo isto, mais do que isto, menos do que isto ou qualquer coisa parecida com isto, que dê na moleira do termocéfalo.

Vejamos:

O atacante aparece na cara do gol e dá um lençol no goleiro. Se a bola entra é categoria, se não entra, é preciosismo.

O meia tabela com um colega de time. Se der um toque de calcanhar e o correspondente receber a bola, é categoria, se o beque cortar, preciosismo.

Se, apertado por um adversário, o beque aplica-lhe um drible e sai jogando, é categoria, se perde a bola é por causa do preciosismo.

Preciosismo na literatura é uma chatice, no serviço, atravancamento, no futebol, depende de como o torcedor, esse velho volúvel, avalia o resultado de uma  jogada.

Bolsa Estacionamento, próxima exigência do torcedor bebê

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Vc acha difícil estacionar no Mineirão? Se a resposta for positiva é porque vc é preguiçoso, ignorante ou mal intencionado e quer sacanear o estádio.

São 3 mil vagas no estádio. Melhores do que a de qualquer outro estacionamento da cidade, incluindo shoppings e hipermercados.

Mas não é só. A 150 metros, existem mais mil vagas no Mineirinho. Ao longo das guias da avenida atrás do ginásio, mais 500 vagas.

Estacionamentos particulares, do Ouro Preto ao São José e São Luís, existem às dezenas. Ruas, então, nem se fala.

Quando chego em cima do laço costumo guardar o carro a mil metros do estádio, num estacionamento onde cabem no mínimo 100 veículos.

Nenhum estádio neztepaiz oferece tantas facilidades aos folgados que não gostam de viajar de ônibus.

Mas há quem reclame e peça a liberação do entrono do estádio. Como os locutores Alberto Rodrigues e Osvaldo Reis. Dois que jamais precisaram estacionar seus carros fora do Mineirão.

O próximo passo será exigir a criação de um bolsa estacionamento, afinal, brasileiro é um bebê sempre dependente de um estado babá.

Por pouco, o modelo seria outro

sábado, 19 de julho de 2014

Proponho uma reflexão:

  • Com a conquista da Copa pela Alemanha, chove comentários e reportagens na mídia brasileira sobre a necessidade que temos de aprender com os vencedores. Ocorre que, na final, a Argentina perdeu três chances claras de gol, antes de tomar o que definiu a partida. Se converte uma delas, campeonava. Neste caso, teríamos de copiar o que faz a AFA com seus torneios e seleções?

Sou todo olhos pra vossos comentários, atentos e preclaros leitores.